O Feminismo da esquerda radical em Portugal - por Dawn Abrantes


Para explicar este artigo tenho que começar por fazer uma breve apresentação de como começou o movimento e suas ondas. Começamos pelo protofeminismo que teve inicio no séc XVIII , por Mary Wollstonecraft influenciada pelo iluminismo e a revolução francesa, com o livro “Uma Vindicação dos direitos das mulheres” , publicado após a sua morte .

Escusado será dizer que sua vida foi desastrosa, nascida numa classe media alta na época , seu pai alcoólico levou sua família à falência, com duas tentativas de suicídio por seu fracasso amoroso.

Contrariamente, uma mulher que defendia os direitos das mulheres e sua independência se encontrava em profunda depressão por seu fracasso sentimental.

Mary achava que as habilidades das mulheres não eram a causa de sua natureza, mas de uma construção do próprio sistema. O feminismo de hoje é totalmente contra a igreja, mas tenho que lembrar que se não fosse a própria igreja a dar espaço , esse movimento não existiria , a própria Mary em seu livro escreve um prefacio agradecendo ao bispo pela oportunidade de manifestação dentro da igreja.

Curioso que, desde o protofeminismo, o único lugar que a mulher teve oportunidade para se expressar foi dentro da igreja.

Olimpe de Gouges , escritora e autora do livro “declaração dos direitos da mulher e da cidadã” , também inspirada pelo iluminismo e a revolução francesa , foi guilhotinada pela própria revolução a mando dos jacobinos após criticar que a revolução não era forte o suficiente por não incluir as mulheres nas suas pautas. O lema dos revolucionários que inspirou Olimpe, “Liberdade ou morte”, acabou por manda-la para a guilhotina.

Os movimentos feministas do sec. XX , são esquerdistas e anticristãos como exemplo temos Simone de Beauvoir, segunda onda do feminismo, autora de livros como especialmente "O segundo sexo1" e "Memórias de uma moça bem comportada", tiveram uma importância, confusa, acerca da situação da mulher como produto da história e da sociedade. Mais do que isso, seu pacto amoroso com Sartre incluía pedofilia, sedução de adolescentes para praticas de libertinagem sexual, que terminaram com suicídios, transtornos psicológicos e inúmeros abortos dessas mesmas jovens porque nem Simone nem Sartre queriam filhos.

Libertação do aborto, repudio ao casamento, desconstrução dos sexos, ( feminizando o homem e masculinizando a mulher), vender a ideia do divórcio como uma grande conquista de felicidade, a ideia de “se ame como você é” contraria à ideia de “aprimore-se cada vez mais” e por ultimo a rejeição de Deus, São todos os tópicos da segunda onda do feminismo nas ideias de Simone. Ideias essas que pelo que me parece , são ideias de destruição da própria mulher, ao abortar ninguém sabe se o bebé seria rapaz ou rapariga, o casamento que é uma protecção da mulher ( ao qual Simone se opunha e por isso depois de 50 anos com Sartre ficou na miséria , sem o direito à sua fortuna), e como ninguém se casa com intenção de se divorciar um divorcio não trás felicidade, estudos feitos com mulheres divorciadas dizem que boa partes delas não estão felizes com esse resultado.

Judith Butler da terceira onda do feminismo decada de 70 e 80, diz que é impossível o feminismo falar em nome de todas as mulheres porque o conceito de mulher foi desconstruído, existe uma hierarquia de géneros. A mulher não tem sexo, impõem uma libertação da “tirania” da biologia ao que parece uma ideia de ódio a si mesmas , porque a mulher na sua biologia tem a oportunidade de gerar um filho, e num momento que odeia a sua condição biológica ela esta odiando a si mesma e também Propõem a educação sexual nas escolas.

O feminismo em Portugal tem bem acentuada a diferença do falso feminismo e do verdadeiro feminismo (comummente chamado de feminismo radical). Pare ter uma ideia do “verdadeiro ”feminismo ele tem como orgulho uma mulher ser mulher, portanto ela nunca poderia se vestir ou ter um comportamento igual ao de um homem.

Lembrando que feministas rejeitam mulheres trans nos seus movimentos por não as considerarem mulheres.

O Feminismo não é o que muitos julgam e pensam, as mulheres a desejarem imitar os homens, fumando, usando bengala, colarinhos, gravatas e tantas outras imitações ridículas . Confundir, pois, as feministas com as desequilibradas que jogam e fumam, exploram o homem e abominam o trabalho, com as que não amam a missão de mãe, não aspiram à carinhosa abnegação de esposa, desdenham as doces minúcias duma vida sacrificada ao bem-estar da família, é um erro tão grave e funesto para a autêntica felicidade da Pátria que custa a perdoar”. Por, Maria Regina Tavares da Silva* na sua Análise Social.

Na actualidade pós 25 de Abril o movimento feminista começou a ter peso no principio do ano 2000, apoiado pela esquerda PPD, PCP, figuras publicas da televisão e pelo próprio governo partido socialista. Ainda que mais de 80 mulheres tenham participado no governo pós 25 de Abril esse movimento virou pauta politica, e era importante porque chamava a atenção do eleitorado feminino. Apoios financiados com dinheiro público para a divulgação de organizações não governamentais em galerias de arte, palestras, estudos e afins. Dinheiro publico que poderia ser aplicado onde o país carece, saúde , segurança publica, educação e etc.

Nas escolas se promovem as “oficinas das almas femininas” influenciando as meninas e meninos, não a respeitar a feminilidade, mas as ideias feministas que acima citei da segunda onda e terceira onda do feminismo.

Em 2019 na manifestação do dia da mulher, teve a presença de Catarina Martins (líder do BE) e do primeiro ministro António Costa , manifestação essa que exigia igualdade salarial e leis mais severas para crimes contra a mulher, e o mais curioso é que depois disso nada se notou de diferente na legislação portuguesa para favorecer a mulher ainda que tivesse a presença de personalidades do governo que tem o poder e a obrigação de proteger todos os cidadãos.

É claramente visível que a esquerda simplesmente se usa de minorias para alcançar seus objectivos de poder, não é do seu interesse resolver problemas sociais mas sim perpetuar o poder. “como vender a salvação , a quem não precisa de ser salvo?”

O feminismo em Portugal com o apoio da esquerda e extrema esquerda tem como base a terceira onda do feminismo, que Maria Regina Tavares da Silva chama de “falso feminismo”, as ideias “filosóficas” desastrosas de Judith Butler que em nada favorecem a mulher têm como única intenção de destruir a biologia feminina, ou seja, paradoxo de protecção para destruição.

Chego à conclusão de que,

Todas as feministas tem as suas próprias características elas vieram de famílias desestruturadas, (situação que lamento imenso) e cometeram o erro de querer induzir em toda a sociedade essa forma de viver, todas viveram relacionamentos doentios com homens, ciúmes , enquanto por fora aparentavam relacionamentos abertos.

Têm um profundo ódio pela sua condição biológica, pelo conceito família e por Deus.

As anotações históricas foram tiradas do livro “feminismo - perversão e subversão “ da professora e historiadora, Ana Caroline Campagnolo.

127 visualizações
 

© 2020 por Bloco de Direita.