Não há festa como esta!


Começou a contagem decrescente para um evento que vai juntar milhares de pessoas, como em mais nenhum país da Europa e quiçá do mundo juntou ou irá juntar nesta Pandemia. O PCP arrasta Portugal pelas piores razões e motivos para os tablóides dos jornais conceituados em todo o mundo. Que saudades de um 2016 em que fomos noticia pela vitória no Europeu de Futebol e em 2017 a vitória no Festival Eurovisão da Canção com Salvador Sobral.

O PCP desde que entrou na geringonça ficou irreconhecível, devido aos inúmeros acordos estabelecidos com o Governo Socialista ao ponto de trair todo o seu passado de luta e intransigência levado a cabo pelo seu líder histórico Dr. Álvaro Cunhal. Aprovação de Orçamentos que contemplaram políticas de Direita, de cativações de receitas, de milhões de dinheiro público para o fundo de resolução da banca que acabaram em offshores e nas mãos de accionistas estrangeiros, negócios ruinosos de património e empresas para a China, agravamento da dívida pública com as injecções de dinheiro público em empresas como a TAP, o desinvestimento e a inexecução da orçamentação dos sectores pilares do Estado como o SNS, etc, etc, um rumo questionável e vergonhoso de um PCP que já dariam para o Dr. Álvaro Cunhal dar umas quantas voltas na campa, tamanha a sua revolta perante esta imagem que este PCP "elitista e burguês" se tornou.

O PCP hoje repele e afasta-se do Povo, em queda nas sondagens, basta ver a resposta dos habitantes da Atalaia, local onde se realiza todos os anos a sua festa, com o encerramento dos estabelecimentos de comércio local e outros eventos devido ao receio de contágio em plena Pandemia COVID19. Um evento com a chancela presidencial e o apoio político do Governo, tudo em troca de favores que permitam a continuidade governativa. A Festa do Avante, a única excepção deste verão que viu dezenas de festivais cancelados, sem qualquer critério de igualdade de permissão da realização destes eventos. Uma DGS que se viu atrapalhada em divulgar um parecer técnico todo ele duvidoso em matéria de saúde pública, porque compromete e contradiz todas as regras impostas aos portugueses.

O facto é que o PCP fará a sua festa, mas ao contrário de outros anos, neste contexto de Pandemia a persistência associada ao medo e incompreensão por parte do Povo poderá sair caro ao partido em futuros actos eleitorais. Posto isto e pesquisando um pouco de história política contemporânea é possível estabelecer uma analogia com o Partido Comunista Francês que nos anos 80 decidiu apoiar o Socialista François Mitterand, em que se sucederam um conjunto de acontecimentos, nomeadamente escândalos de corrupção, enfraquecimento da economia, desemprego, etc, que ditaram o inicio do seu fim. Eu preconizo o mesmo aqui ao PCP.

A Festa do Avante envolta em polémica que chega a ser noticia lá fora, vai realizar-se sob um clima de medo e suspeição sem se saber muito bem se terá fiscalização e de que forma será feita, uma festa com a participação de milhares de pessoas que poderá resultar num festim de contágio e mais grave ainda, de desrespeito pela saúde pública de todos nós sob o olhar de uma autoridade desautorizada pelo poder político conivente com um evento que se sobrepõe à vontade do Povo.


32 visualizações
 

© 2020 por Bloco de Direita.